Xico Graziano

Jornalismo catastrófico tem parte da culpa por pânico com coronavírus

Catastrofismo despreza a ciência, enquanto o pavor vende jornais - Por Xico Graziano

04/03/2020 08h53

Logo que começou a epidemia do coronavírus, critiquei o catastrofismo, pois a imprensa nervosamente parecia anunciar o fim do mundo. "Fiquem tranquilos", escrevi em 25 de janeiro. Levei chumbo grosso.

Acontece que, ao contrário de tranquilidade, uma verdadeira paranoia, desde então, acometeu a sociedade e a economia globais. Bolsas despencaram, fábricas fecharam, exportações caíram, afetando o crescimento dos países. Até as Olimpíadas podem ser suspensas.

Confesso que, acompanhando as notícias, sempre dramáticas, fiquei receoso com aquela minha ousadia. Tive vontade até de deletar meu tuíte. Mas o mantive. Passados esses 40 dias, reafirmo minhas palavras: "Não vivemos mais na época da peste negra. Precisamos acreditar na medicina, no poder do conhecimento científico".

Em prazo incrivelmente rápido, cientistas brasileiros, do Instituto Butantan, mapearam o genoma do vírus. Na Universidade Biomédica de Roma, outros pesquisadores descobriram a mutação genética que possibilitou ao vírus dar um "salto de espécies" e infectar seres humanos, não apenas animais.

Tais descobertas permitirão fabricar remédios antivirais e, logo mais adiante, elaborar vacinas contra a doença. Mais uma vez, o poder da ciência funcionou. Meu otimismo daí deriva: da capacidade humana em vencer desafios que afrontam a civilização.

A começar da China, depois seguida por dezenas de países, medidas de precaução e de controle epidêmicas foram com razoável sucesso adotadas, restringindo a disseminação da doença. Nesta 3ª feira (3.mar.2020) o total de pessoas infectadas era de 90.923 (88,3% na China), em 74 países.

Morreram 3.123 pessoas (94,3% na China). Mortes, em qualquer situação, são lamentáveis. Os números indicam, porém, que é baixa, ao redor de 2,3%, a letalidade do Covid-19. Para comparação, na epidemia da Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave), de 2002 a 2003, também na Ásia, a letalidade era de 10%.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) confirmou que o número de novos casos de infecção na China está diminuindo. Tem mais notícia boa. No Japão, cerca de 80% das pessoas infectadas não transmitem o vírus. Rubéola é 4 vezes mais transmissível; malária, 400 vezes pior. Significa, em suma, que escaparemos da tragédia.

De onde vem, então, tanto pavor? Por que as notícias foram, e continuam sendo, tão negativas?

Fenômenos complexos, sabidamente, não apresentam explicações simplórias. Vários fatores se unem. Começa pelo interesse das empresas de medicamentos. Quanto mais grave a situação, mas crescem as encomendas. Seria ingenuidade não pensar nisso.

Notícia ruim vende mais jornal. Essa máxima do antigo jornalismo se aplica também, de forma piorada, aos tempos da comunicação digital. Não à toa o médico Dráuzio Varella, do alto de seu conhecimento e responsabilidade, disse que "a repercussão do caso está em dissintonia com a realidade dos dados até agora divulgados?".

O comportamento humano nem sempre, na sociedade contemporânea, guarda conexão com fatos objetivos. É o que estamos assistindo. Na era da internet, potencializa-se o conhecido "efeito-manada", comandado pela psicologia de massa.

Jornalistas e ativistas catastróficos adoram apavorar cidadãos. Vale para as epidemias humanas como para problemas ecológicos. Volta e meia anunciam barbaridades que nunca, felizmente, tornam-se realidade; depois, desaparecem do noticiário. Ocorreu assim com a mortífera gripe aviária "que mataria milhões" ou com o apavorante buraco da camada de ozônio - que alastraria o câncer de pele.

Onde erra o catastrofismo? Erra ao desprezar a capacidade de defesa da inteligência humana, manifestada na geração de conhecimento científico e tecnológico, suficiente para empurrar a civilização adiante. O catastrofismo expressa pessimismo sobre o futuro.

Contra ele, Matt Ridley escreveu o notável "O Otimista Racional" (Record, 2014), livro que atesta, com fartura de informações, o quanto a sociedade humana tem sido pródiga em superar seus grandes desafios. Recomendo-o vivamente.

Não se trata de negar os problemas, que são reais. A mutação Covid-19 está aí infectando pessoas ao redor do mundo. Na questão ambiental, a pegada ecológica se agrava. Trata-se, isso sim, de acreditar na solução dos problemas, de trabalhar para equacioná-los. Jamais esperar o pior acontecer.

Falando em acomodação, o Brasil é atualmente o 2º país no mundo em incidência de hanseníase. Prestem atenção: a lepra ataca 30.000 novos compatriotas por ano. Alguém aí se preocupa com essa doença milenar que teima em dilacerar corpos humanos em pleno século 21?

Não, a lepra não interessa aos especuladores financeiros nem aos vendedores de maldade. O negócio da vez se chama coronavírus.

Leia outros artigos de Xico Graziano