Xico Graziano

Secas e chuvas - por Xico Graziano

06/11/2019 09h27

A estação das chuvas está atrasada, prejudicando o plantio da safra. Ao tuitar sobre o assunto, alguns internautas foram peremptórios comigo: é o desmatamento que causa a longa estiagem. Será verdade?

Não parece. As evidências científicas, aqui e no mundo, não comprovam relação direta entre o desmatamento de 1 território e o fenômeno da seca nele verificado. Fatores mais amplos, planetários, como as correntes marítimas, o provocam.

Severas secas se registram na história, como aquelas que foram decisivas no colapso da civilização Maia. Segundo Jared Diamond, por volta de 760 d.C. começou a pior seca na península de Yucatan, atingindo seu auge 40 anos depois. Pouco abundante naquela região mexicana, a escassez de água deu o golpe de misericórdia nos Maias.

Em tempos atuais, o drama da insuficiência de recursos hídricos afetou gravemente o estado da Califórnia. A pior seca de sua história se iniciou em 2012, permanecendo por 5 anos. Com praticamente 100% de sua agricultura irrigada, milhares de hectares de lavouras foram prejudicados, jardins proibidos de serem molhados. Prejuízos de US$ 5,7 bilhões.

O desmatamento do Oeste norte-americano, ocorrido há 150 anos, não serve para explicar a recente tragédia californiana. Tal como na Austrália, que registrou a maior seca do milênio entre 1997 e 2005. Em ambas as situações, culpa-se o aquecimento global pela alteração no regime de chuvas.

Segundo a teoria expressa pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC/ONU), os fenômenos naturais deverão se tornar mais extremos: furacões devastadores, secas prolongadas, grandes inundações. Gases de efeito-estufa estão alterando o clima. Pode ser.

No Brasil, as secas nordestinas remontam há séculos, sem nenhuma relação com a supressão da cobertura original. Entre 1877 e 1879, a morte de 500 mil pessoas levou D. Pedro II à região para chorar a desgraça da nação. A mais duradoura e abrangente seca da história nordestina, porém, ocorreu de 1979 a 1984, levando o presidente general João Figueiredo a dizer uma de suas frases polêmicas: "Só resta rezar".

Na Amazônia, é abundante a água. Mas tem seca também. Em 1963, muito antes de se falar em desmatamento da Hileia, verificou-se a menor cota do rio Negro até hoje. A mais generalizada seca amazônica ocorreu em 2005. Muito antes das queimadas irritarem a opinião pública do país.

Uma hipótese atraente, dada pela teoria dos "rios voadores", faz crer que a floresta amazônica seja responsável pelas chuvas que caem há milhares de quilômetros de distância, como as que irrigam o Sudeste. Se o desmatamento no Norte avançar a partir de certo nível, poderia comprometer a formação das nuvens paulistas. É preocupante.

A climatologia tem evoluído, mas ainda não oferece segurança para explicar, com base científica, as dúvidas que angustiam os agricultores nacionais. Por mais robustas que estejam, favorecidas pelas ferramentas computadorizadas, continuam inseguras as previsões sobre o tempo. Afinal, vai ou não vai chover?

Na dúvida, os "especialistas" da internet se alvoram no direito de escreverem a bobagem que quiser. E nesses tempos onde virou moda falar mal do agronegócio, é claro que o culpado pela seca que atrapalhando o plantio da safra é - o próprio agricultor!

Haja paciência. Fenômenos complexos não admitem simples explicações. O regime de chuvas pode estar, realmente, se modificando, mas suas causas são múltiplas e variáveis. Fora o desconhecido.

Quem gosta de ecologia me responda rápido: quem veio 1º, a chuva ou a floresta? Em outras palavras: a Amazônia é coberta por floresta abundante porque lá chove muito, ou lá chove muito porque a floresta é abundante?

Não se trata de pegadinha. É uma mostra da complexidade dos fenômenos naturais.

Leia outros artigos de Xico Graziano