Xico Graziano

Segurança alimentar da China é conseguida às custas da importação

Maior problema nutricional é a obesidade; fome está ligada à má distribuição de renda

17/10/2019 09h33

Refletindo sobre o Dia Mundial da Alimentação, comemorado neste 16 de outubro, João Pedro Stedile escreveu 1 artigo defendendo a tese da "soberania alimentar" dos povos.

Segundo o manda-chuva do MST, "cada povo pode e deve produzir seus próprios alimentos em seu território, senão não conseguirá sobreviver nem progredir. O povo que depende de alimentos vindos de fora de seu território é 1 povo subordinado aos interesses das empresas e de governos estrangeiros".

Na concepção dessa esquerda agrária que ele lidera, o comércio global de alimentos favorece apenas às grandes empresas multinacionais. Vai além. A globalização, diz, promove distorções alimentares e causa a "destruição de culinárias culturais milenares".

Nesse raciocínio, a única saída seria o retorno da produção rural para a mão dos camponeses, chamados no Brasil de agricultores familiares. Somente assim, dando uma marcha-a-ré na história, a sociedade atingiria sua soberania alimentar e se livraria, definitivamente, do fantasma da fome.

O maior exemplo oferecido por Stédile foi a China comunista, que na época de Mao Tsé Tung realizou "a maior revolução de todos os tempos, expulsando colonizadores e imperialistas, fez uma reforma agrária radical e conseguiu eliminar a fome de seu povo".

Confesso que jamais li algo tão distorcido, distante da realidade do mundo contemporâneo. Não me refiro propriamente à tese da autonomia alimentar. Quer alguém defender uma ideia, por mais maluca que ela seja, que o faça livremente.

Stédile, porém, falseia informações na defesa de sua proposta. Vejam a própria China. A segurança alimentar dos chineses está sendo conseguida às custas da importação de montanhas de alimentos, incluindo a soja brasileira. Não tem nada a ver com o comunismo.

Nesta safra, eles irão produzir 17 milhões de toneladas para um consumo de 103 milhões de toneladas. Ou seja, comprarão no exterior 86 milhões de toneladas de soja. Quase tudo do Brasil.

Sem o farelo da soja brasileira, que se transforma em ração animal, os chineses não conseguiriam nutrir seus enormes plantéis de suínos, aves e peixes. Falar em "autonomia alimentar" para os chineses é o absurdo dos absurdos.

Passou agora a China também a comprar carne bovina do Brasil. Não é da tradição culinária deles, mais acostumados com a carne de porco. Imagine o Stédile dizer lá para os chineses que está errado eles comerem churrasco de picanha. Seria esconjurado.

Todas as nações trocam mercadorias, incluindo alimentos. O Vietnã e a Coréia vingaram e se tornaram "tigres asiáticos" porque fizeram o contrário do que apregoa Stédile: abriram suas economias para o mundo. Compram e vendem de tudo.

Em nenhum lugar do planeta se conhece algum país que segue a receita do Stédile. Nenhum. Pensando bem, tem um sim: a Venezuela chavista. Só que o resultado saiu ao contrário: a Venezuela é o único país em que a FAO registra elevação da fome na América Latina. A taxa de subnutrição populacional cresceu 4 vezes entre 2012 a 2018, passando de 6,4% para 21,2%.

Stédile diz que a Revolução Verde fez crescer a fome no mundo. Mentira deslavada. Qualquer economista sabe que o problema da fome e da desnutrição, presente nas últimas décadas, deveu-se à má distribuição de renda na sociedade. As pessoas passam fome não porque falta alimento, mas por não terem dinheiro para comprar comida.

Pelo raciocínio de Stédile, a fome no Brasil deveria estar nas alturas. Afinal, o chamado "modelo de agronegócio internacionalizado", que ele tanto denigre, domina a moderna produção rural do país. Só que não.

Nos relatórios recentes da FAO, o Brasil apresenta uma taxa de subnutrição populacional abaixo de 2,5%, valor que configura uma situação generalizada de segurança alimentar. Stédile deve odiar essas estatísticas, por isso as despreza.

Obesidade. Qualquer entidade preocupada com as tendências globais da sociedade contemporânea sabe que aqui reside o maior problema nutricional da população humana. Milhões de pessoas, no Brasil e no mundo, padecem doenças e morrem devido à obesidade.

Stédile, coloque os pés no chão e seja honesto. Defenda suas maluquices sem falsear a realidade. E fique esperto com o sashimi: o salmão vem do Chile. Alguém é contra?

Leia outros artigos de Xico Graziano