Xico Graziano

O verdadeiro ambientalismo olha para a frente, analisa Xico Graziano

Pensamento catastrófico foi desmentido; mudança climática não destruirá o planeta

05/06/2019 09h35

Hoje, 5 de junho, se comemora o "Dia Mundial do Meio Ambiente". A data reverencia o início da primeira Conferência da ONU (1972) sobre o homem e meio ambiente, realizada em Estocolmo, Suécia.

Naquela época, era o limite dos recursos naturais do planeta que dominava a agenda do nascente ambientalismo. O principal estudo havia sido patrocinado pelo Clube de Roma, com apoio do conceituado Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).

As projeções mostravam que o futuro estava em perigo. Ocorreria, na virada do século, o esgotamento do petróleo e de importantes minerais; a poluição do ar, da água e dos mares se tornaria insuportável.

O Clube de Roma previa, em suma, num horizonte de 50 anos, um colapso da civilização. Para evitá-lo, recomendava o controle populacional, frear o crescimento econômico e, consequentemente, reduzir a demanda por bens naturais.

Nenhuma dessas medidas foi implementada. Tampouco a civilização degringolou. Éramos, então, cerca de 3,8 bilhões de habitantes na Terra. Hoje atingimos 7,2 bilhões. E ganhamos qualidade de vida em todas as partes do mundo.

O pensamento catastrófico, típico do ambientalismo primário, foi progressivamente desmentido pela inteligência humana, criadora do avanço tecnológico. Ao invés de colapso, vimos o progresso.

Essa é a lição da história: o conhecimento científico, aliado ao poder regulador das sociedades, não se curva às tragédias ecológicas anunciadas. Pelo contrário, as enfrenta. E, inevitavelmente, as vence.

A capacidade criadora da humanidade suplanta sua força destruidora. Dois exemplos bastam: o sucesso no combate à poluição atmosférica e a regressão do buraco na camada de ozônio. Conclusão: erra o ambientalismo em ser pessimista.

Nada indica que o mundo irá acabar pela ação antrópica. As mudanças de clima, bola da vez do ambientalismo, também não conseguirão, a meu ver, essa façanha da destruição planetária.

Haverá, por certo, modificações na sociedade global e adaptações aos eventos extremos. Até surgirem, inexoravelmente, novas soluções, ainda não imaginadas, contra o aquecimento global.

Embora fadados ao equívoco com suas terríveis previsões, os ambientalistas radicais contribuem, com seu grito de alerta, para a evolução. Mobilizam governos, disparam botões da engrenagem científica.

Nesse dia mundial do meio ambiente você pode se alegrar ou se entristecer. Alegrar-se pelas conquistas obtidas, rumo à sustentabilidade; entristecer-se pelos problemas ainda existentes, ou criados, pela civilização contemporânea. Depende de sua atitude, pessimista ou otimista.

Celebre essa data evitando cair na armadilha ideológica: países socialistas ou capitalistas apresentam, historicamente, semelhantes problemas ecológicos. Meio ambiente não se rotula pela esquerda ou direita.

O verdadeiro ambientalismo olha para a frente.

Leia outros artigos de Xico Graziano