Xico Graziano

Bolsonaro abre vantagens ao buscar aproximação com Israel

É uma boa chance de intercâmbio tecnológico, mas há riscos e limites na diplomacia

03/04/2019 09h20

O estado de Israel tem uma agricultura espetacular. Totalmente irrigada, elevada produtividade, diversificada. Um milagre verde naqueles pálidos desertos.

Lavouras e criações intensivas ocupam cerca de 450 mil hectares de terras no território judeu. Para comparação, a cultura da cana-de-açúcar, somente ela, se espalha por 6,8 milhões de hectares no estado de São Paulo.

Embora pequena, a agricultura israelita é exemplar. Sua forma de produção é cooperativa, seguindo 2 modelos: o kibutz e o moshav. No primeiro, impera o modo coletivo, tipo socialista mesmo; no segundo, as famílias tocam suas terras particulares, sendo, porém, a comercialização realizada em conjunto. Tudo planejado.

Quase toda a horticultura e floricultura é realizada em estufas, com temperatura e umidade controladas. Israel exporta um terço da sua produção rural, destacando-se deliciosas frutas. A segurança alimentar é garantida: com população humana de 8,7 milhões, Israel atende a 95% do mercado interno.

Daqui se origina um problema ao Brasil, revelado nessa viagem de Jair Bolsonaro: Israel, por ser autossuficiente, compra poucas mercadorias de fora, principalmente alimentos oriundos da agricultura brasileira.

Em contraposição, a maioria dos demais países do Oriente Médio, dependentes de comida, precisam gastar bilhões de dólares com nossos produtos alimentares.

O Brasil é o maior exportador mundial de carne, bovina e de aves, abatida segundo a norma halal, preceito sagrado exigido pelos povos muçulmanos. Nossas empresas faturam atualmente US$ 5 bilhões/ano nesse segmento de mercado, concorrendo com a Índia e a Austrália.

Está apreensivo nosso agronegócio com essa aproximação do Brasil com Israel. É a economia, e não a religião, nem a política, que o preocupa. Favorecer Israel na diplomacia pode atrapalhar o mercado exportador direcionado ao Oriente Médio.

A ministra Tereza Cristina que o diga. Embaixadores e comerciantes do mundo árabe a procuram, carregando as tintas, discorrendo sobre o risco comercial trazido pela aproximação do governo Bolsonaro com Israel. Existe, de fato, uma questão delicada a ser resolvida.

O mundo se move pelos interesses econômicos. Por conta dos imperativos comerciais, nos tornamos grandes amigos dos palestinos e demais nações árabes, prejudicando nossa relação com Israel. É a dura realidade.

Em decorrência, na agropecuária especialmente, temos perdido boas chances de intercâmbio tecnológico. A pesquisa agronômica israelense é pródiga em gerar tecnologias adaptadas à aridez de solos. Tudo a ver com nosso Nordeste.

A gestão de recursos hídricos é muito cuidadosa, e rigorosa, em Israel, a ponto de existir uma autoridade que atua na base da produção: os Comissários de Água. Paga-se pelo uso da água (quase toda dessalinizada ou advinda de reuso urbano) no campo. Ninguém reclama. Impera a sustentabilidade.

Ambientes secos facilitam o tratamento fitossanitário das lavouras, pois dificultam a reprodução acelerada de patógenos agrícolas. Aproveitando-se disso, os israelenses descobriram a vantagem da produção orgânica, certificada, investindo num nicho de mercado que representa 13% das suas exportações. Algo a ser melhor estudado por nós.

Afora as questões ideológicas, que não me interessam aqui, Bolsonaro abre vantagens ao buscar aproximação técnico-científica com Israel. Sabe, por outro lado, porque trouxa não é, que existem riscos e limites nessa diplomacia.

Defendo que devemos obter maior equilíbrio na política internacional voltada ao Oriente Médio. Sem desprezar a característica do halal, mas sem curvar o país, como adorava fazer o lulismo, aos dólares muçulmanos.

A virtude, sempre, mora no meio.

Leia outros artigos de Xico Graziano