Jorge Guirado

E o nosso Esporte...

13/06/2019 17h09

Na minha juventude ouvia sempre um grande narrador esportivo dizer em suas transmissões:

"Um grande País se forma nas escolas e nos campos esportivos".

Nas escolas embora a constante falta de investimentos, materiais e professores, ainda se vê alguma coisa positiva, pois a lei obriga que os gestores públicos (Prefeitos, Governadores e Presidente) invistam, pouco que seja, mas são obrigados a destinarem um percentual em educação.

Mas, na área do esporte a situação vai de mal a pior.

Hoje não se vê boas praças esportivas em muitos lugares de nosso país, até aquele grande investimento em estrutura e espaços para Olimpíadas lá no Rio de Janeiro, tudo está abandonado. Embora o Rio não sirva de bom exemplo para nada com as últimas administrações.

Mas falando especificamente da nossa aldeia: Quais espaços públicos você encontra disponíveis? Ou investimentos?

Exceto três ou quatro quadrinhas sintéticas para engambelar a população! Os bairros não possuem mais campos de futebol, nem de terra ou de grama.

Temos lá aquele onde se realiza o campeonato do Terrão no Jardim Colonial, que nasceu graças a iniciativa daquela comunidade local, mas sem nenhum estrutura.

Nosso Estádio dos Amadores, o velho e bom Ninho da Cobra, está abandonado, um patrimônio histórico, de tantas memoráveis jornadas, hoje é um campo de futebol interditado pelo Ministério Publico, proibindo sua utilização.

As nossas quadras poliesportivas, as poucas que existem, estão abandonadas. Algumas delas você pode acompanhar nas imagens diárias das câmeras do portal CATVE.COM no Centro Esportivo Ciro Nardi, abandonadas, deterioradas, horríveis e perigosas.

Nossos Ginásios de Esportes de igual forma. O Sérgio Mauro Festugatto, o principal, a quadra é horrível, sem área de escape, arquibancadas sofríveis, dependendo onde você sentar, não conseguirá assistir o jogo, experimente atrás dos gols por exemplo. Pelo menos agora não chove na quadra.

O Ginásio da Neva que sempre é mostrado para todo Brasil em razão do Futsal e é outra coisa medonha, não existe conforto nenhum. Arquibancada pequenas, baixas, ruins para se ver o jogo. Banheiros horríveis, poucos e cheios de vazamento.

Vestiários sofríveis, parte elétrica, um risco permanente, de igual modo as cabines que além de tudo toma boa parte da pequena arquibancada e colocando em risco os torcedores que embaixo sentam abaixo delas.

Quando tem jogo lá com transmissão, é necessário contratar um Pajé para fazer a dança contraria para não chover, se chover, precisa recorrer aos santos jornais da cidade para cobrir as goteiras de quadra.

Teve jogo ao vivo na TV para todo Brasil que ficou parado mais de uma hora esperando a chuva acabar. Terrível para imagem da cidade.

O outro lá do São Cristóvão é irmão gêmeos, menos famoso que a Neva, logo os problemas são iguais se não forem maiores pelo esquecimento.

Bons ginásios, como exemplos de Foz, Marechal e Toledo, possibilitam bons e grandes eventos. Além de oferecer entretenimento e divertir a população, gera intercâmbio de atletas locais com de outros centros de grande prestigio.

Bons eventos promovem a cidade, fomentam o comércio, hotéis, gera consumo em bares, restaurantes. Divisas, impostos.

Semana passada nossa equipe ficou cinco dias em Xanxerê SC transmitindo Grand Prix Feminino de Futsal para o Sportv.

Xanxerê é maior que Cascavel? Não.

Eram varias equipes da América do Sul, delegações completas, jornalistas, radialistas, torcedores consumindo na cidade que era falado no Continente.

No Ciro Nardi a pista de atletismo é uma lástima. sofrível. Isto que conseguiram verba para deixa-la em condições de receber qualquer evento piso de primeira linha e um de nossos gestores travou.

Quando chove fica inundada só não mais que a quadra de saibro para o tênis dali também.

Da pisa de Skate e da academia de boxes melhor nem falar. Do Ginásio Eduardo Luvison a gente sabe que se chover concorre com as Cataratas do Iguaçu

Nem vamos para os bairros pois outro dia mostramos no EPC o abandono e o descaso com a quadra do Bairro Guarujá. Ficamos por ai.

Vamos dar uma passadinha no Autódromo, quando tiver corrida sempre em contato com São Pedro, pois se a água cair, os boxes ficam em estado deplorável.

O piso superior sem cobertura é um risco para torcedores e equipes que embaixo trabalham.

E as portas... Deus nos acuda, muitas orações para não caírem e machucar alguém.

Pátio de estacionamento das equipes, quando chove é só lama.

Torre de cronometragem improvisada desde a inauguração. Túnel de acesso não pode passar uma caminhonete, imagine um caminhão de equipe. Estes entram pela pista.

Gastaram alguns milhões e um gênio disse que não precisava mexer no túnel, ter torre cronometragem, dutos para cabeamento, cobertura na parte superior, entre outras coisas que nem vale aqui reportar.

E, antes do mimimi conhecido na praça, digo que em 2018 para terceiros geramos imagens de mais de 200 eventos no Brasil e, apenas três foram em Cascavel e um Futsal em Santa Tereza do Oeste quando o time jogou lá pela LNF.

Leia outros artigos de Jorge Guirado