Craque Neto

Felipão terá que arrumar outro diferencial para repetir sucesso

05/02/2019 09h17

Não restam dúvidas de que o Palmeiras tem sim um dos melhores elencos do País. Dono do patrocínio mais caro do futebol brasileiro (cerca de R$ 81 milhões mensais da Crefisa), a diretoria não só conseguiu manter todos os campeões brasileiros no elenco - inclusive os destaques Dudu e Henrique -, como também trouxe reforços como Ricardo Goulart, Zé Rafael e Arthur Cabral. Mas a derrota na clássico de sábado para o arquirrival Corinthians fez muita gente torcer o nariz, sobretudo na torcida alviverde.

O que mais se houve são críticas aos jogadores, chamados de PIPOQUEIROS. Mas posso falar? O Palmeiras foi pra cima e pressionou o time do Corinthians quase que em toda a partida. Na minha visão o que definiu o resultado foi justamente a incapacidade do técnico Felipão em criar novas situações de jogo. Ou seja, se o adversário estava retrancada ele tinha a obrigação de mexer na equipe e propor um esquema diferente. De repente mais agudo com jogadas pelas laterais.

O fato é que o relativo sucesso do Verdão em 2018 veio de um encaixe ofensivo que esse ano está impedido de acontecer. Felipão escalou o Willian Bigode e o Dudu pelas pontas enquanto revezava o Borja e o Deyverson na referência dentro da área. Funcionou! Tanto que a dupla de baixinhos foi bem sacrificada com sequência de jogos na reta final de decisões na Libertadores, Copa do Brasil e Brasileirão. Jogaram quase todos os jogos!

Willian machucou o joelho e está de molho. Felipão tenta encontrar o substituto e não conseguiu até agora. E enquanto isso não rolar temo que o Verdão terá sérias dificuldades para alcançar resultados em jogos grandes. E não digo só pela derrota no Dérbi. Analisando o desempenho até aqui o time alviverde jogou bem abaixo do esperado. O palmeirense sabe do que estou falando.

A partir de agora das duas uma: ou o palmeirense vai ter que fazer reza "braba" para o Willian se recuperar logo ou o Felipão vai ter que rever seus conceitos e tirar um coelhão da cartola.

Leia outros artigos de Craque Neto